MINUBE
Continuar na app
Abrir
Aonde queres ir?
Entrar com Google +
Aonde queres ir?

O que visitar em Dalvares

9 colaboradores

4 lugares que ver em Dalvares

Aldeias en Dalvares
Dalvares
Dalvares é uma freguesia pertencente ao concelho de Tarouca (dentro de 2.5 Km a leste), localizado em de monte Santa Bárbara, na margem esquerda do Rio Varosa. É uma aldeia pequena, com apenas mil habitantes que se dedicam principalmente à agricultura (pomares, milho, batatas, etc.) e especialmente para o cultivo de vinhas, que é feito com vinho espumante, típica desta região. Chamou minha atenção o caráter rural da aldeia; por exemplo, ainda mantém lavanderias públicas, julgando pelas roupas que tinham mentido, são usados ainda hoje. Dalvares faz parte do chamado as videiras da rota de Cister. Como herança, tem uma igreja paroquial do século XVI, a Castro de Santa Bárbara (povoado da vila do século XIII, onde a capela de Santa Barbara, está localizado no Monte homônimo) e o [poi = 151196] Casa do Paço [/poi], uma antiga fazenda da idade média declarada monumento nacional, que agora abriga o [poi = 151221] Museu do vinho espumante [/poi] e um centro cultural.
Monumentos Históricos en Dalvares
Casa do Paço de Dalvares
(1)
A Casa do Paço de Dalvares é o principal edifício histórico da cidade, classificado como Monumento Nacional por seu notável valor e importância histórica, cultural e social que leva acompanhado. Fica em uma pequena colina com vista para a rua. É um edifício medieval senhorial, que pertenceu a Egas Moniz e seus descendentes. Foi construído em épocas diferentes, em pedra de granito, e tem um edifício principal com dois andares, ao qual se acrescentaram posteriormente mais dois edifícios que formam a letra U, ficando no centro um pátio em torno do qual são dispostos as diversas dependências. No segundo andar se destaca a varanda em granito com corrimão de ferro para visualização, e em seu interior diferentes janelas abertas nas grossas paredes e a escada de pedra. Esta casa foi uma quinta criada no início da monarquia. Era parte de um conjunto constituído de economia agrícola formada por: A casa propriamente dita (onde vivia o Senhor) e um vasto campo agrícola de exploração agrária operado por seus funcionários e operários (estas terras cobriam grande parte da atual cidade e incluía até o Mosteiro de São João de Tarouca). É engraçado porque até mesmo a água do rio Varosa lhe pertencia, e uma vez que saciava a necessidade de irrigação das suas terras era quando cedia aos moradores da cidade a água excedente. Com a morte, em 1894, de João Peixoto da Silva de Almeida Macedo e Carvalho (último descendente de Egas Moniz), começaram a vender as terras deste senhorio a diversos proprietários, e a casa caiu em um estado de abandono. Foi recentemente restaurada pela Câmara Municipal de Tarouca e abriga o Museu do Espumante Murganheira, a sede da Irmandade do vinho Espumante e da Comissão Vitivinícola Regional Távoras-Varosa, assim como una pequena cafeteria e um espaço de acesso a internet gratuita aos habitantes locais. Nele se realizam atividades culturais, quando o visitei coincidiu com uma peregrinação popular, resultou ser o XIII encontro de Tocadores de Sanfona e de Contadores de Desafio. Também forma parte da chamada rota das Vinhas de Cister.
Museus en Dalvares
Museu do Espumante da Murganheira
O Museu do espumante está situado em parte das dependências da Casa do Paço de Dalvares. Consiste em várias salas dedicadas a ilustrar o processo de elaboração de um vinho característico desta região vinícola de Távora-Varosa de alto Duero, chamado de "espumante". É um vinho espumoso muito semelhante ao champanhe francês (na verdade, é processado de forma idêntica), fresco e aromático, feito de uvas Malvasia, Godello, pinot noir e chardonnay, entre outras. Perto dali, em Ucanha, estão as "Caves da Murganheira", uma das mais importantes fábricas de vinho espumante da área, que também pode ser visitada. Primeiro se visita a prensa das uvas a partir do qual obtemos o suco, e, em seguida, a sala de fermentação, cheia de garrafas de vidro colocadas de cabeça para baixo sobre os chamados "bancos". Uma das coisas que mais me surpreendeu é que o vinho é fermentado em garrafas de vidro e barris, e essas não tinham cortiça, mas um metal, assim como garrafas de refrigerantes. Segundo me explicaram a cada dia se deve virar as garrafas um quarto de volta para que os sedimentos fiquem depositados no gargalo da garrafa, este processo geralmente é mecânico, mas com bons vinhos é feito à mão. No fim do tempo de fermentação é realizada o "descolamento", que consiste na remoção de resíduos, para este procedimento é tirada a tampa da garrafa e os sedimentos são empurrados para fora pela pressão do gás de dióxido de carbono. Como etapa final, passamos ao engarrafamento, tampagem e rotulagem. Portanto, eu achei a visita muito informativa, já que eu nunca tinha visitado uma fábrica de espumante e esta é muito similar. Além disso, eu tive a sorte de ter um guia maravilhoso o "Chefe de Cultura de Tarouca", que me mostrou o museu e explicou todo o processo (em Português, mas nos entendíamos perfeitamente, "risos"!!) inclusive depois me convidou a provar um copo deste vinho. A entrada é gratuita. A visita a este museu faz parte da rota Vinhedos de Cister.
Festas en Dalvares
XIII Encontro de Tocadores de Concertina e Cantadores ao Desafio
Vim fazer as vinhas da rota de Cister Dalvares para visitar a Casa do Paço [/poi] e o Museu do vinho espumante, mas qual foi minha surpresa quando encontrei-me com uma enorme peregrinação popular. Foi a 13ª reunião de jogadores de concertina e cantores de desafio, que acontece anualmente no início da Primavera (21 de março era) e é organizado pela Associação de Sabugueiro flor. Havia um monte de pessoas, tanto as pessoas e diferentes partes do país, que chegam em ônibus. A festa começou ao meio-dia com um alimento popular e gratuito para os participantes, preparado in situ em grandes panelas ao fogo, e consiste em um tipo de sopa de macarrão, batatas cozidas com um guisado de carne de porco e Bacon. Frente da Casa Paço estabeleceu-se uma sala de jantar improvisada com várias tabelas onde desfrutar dessas delícias. O show começou depois do almoço. A "concertina" é um instrumento musical semelhante ao fole de acordeão, embora isto difere em botões e seu tamanho reduzido. Vários grupos folclóricos subiram no palco para tocar este instrumento particular, cuja música foi acompanhada por outros instrumentos tradicionais, tais como tambores e pandeiros. Também havia danças regionais e concurso de "cantores de desafio", que consiste de uma disputa dialética entre duas ou mais pessoas sob a forma de rima improvisada (você van respondendo como alternativa); É um verdadeiro espetáculo de criatividade. Devo dizer que gostei muito do evento e que as pessoas desta área são extremamente simpáticos e hospitaleiros. Eu vim com a intenção de vir ao Museu do vinho e finalmente acabou totalmente integrado no partido e até convidou me para comer e para provar o famoso vinho espumante produzido nesta área. Conheci o prefeito e vereador da cultura de Tarouca, que se comportou brilhante comigo me ensinando e explicando a exposição do Museu e mesmo assim me acompanhou para a cidade vizinha de Salzedas, para me mostrar a cidade e o mosteiro.
Atividades em Dalvares
Civitatis
(590)
15
Civitatis
(234)
90
Civitatis
(391)
40
Imperdível
Civitatis
(164)
55
Civitatis
(276)
90
Civitatis
(37)
65
Civitatis
(149)
15
Civitatis
(12)
98
Civitatis
(47)
110
Civitatis
(6)
15
Impressionante
Civitatis
(60)
100
Civitatis
(106)
75
Civitatis
(14)
115